top of page
Buscar
  • psicostapaulo

Homens, Mulheres - Colette Soler

Atualizado: 27 de fev.

Conseguimos finalizar a leitura desse seminário da Collete Soler "homens, mulheres". Digo conseguimos, porque não foi fácil, e, mesmo tendo conseguido, continua não sendo.


Durante essas aulas desse seminário, pudemos também nos aventurarmos - com todo risco que uma aventura pode carregar - a caminhar por outros corredores, entrar em outras aulas. Ficamos um tempo ali com Freud, nos seus textos que debatiam sobre a diferença sexual, sobre a feminilidade. Depois Lacan, com o risco, ou certeza, de nos aturdirmos, "o aturdito". E aquela aula do seminário "mais, ainda", onde Lacan expõe as fórmulas da sexuação. As leituras foram densas, mas as discussões puderam torná-las mais leves - porque compreensíveis já é dizer de mais (rs). Por isso agradeço a Camila Borges, Thaisa Barbosa, que em meio a esse esforço de leitura e dedicação se proporem a ir até um fim, com suas contribuições, e com suas próprias leituras.

Agradeço também aos que se interessaram no início, os que tentaram, os que deram continuidade até onde puderam. Podemos dizer que seguimos tentando. Essa é a nossa fixão, que pelas contingências acaba em algum momento a esbarrar com a parte nãotoda, que resta irrepresentável a todo falante. Seguimos tentando, não em um esforço para compreender, mas de invenção.


Agora será que homens e mulheres seriam uma invenção? E o nosso esforço de os compreender passaria pelos corpos anatômicos? É esse corpo que viria a representar o sujeito?

_____________________________________

"As marcas das experiências primárias de gozo corporal, indeléveis, fixantes para sempre, origem dos significantes do inconsciente, e que não tem nada a ver com o sujeito propriamente dito. Trata-se de fixões, com um x, fixão-sintoma que não concerne especificamente à mulher naotoda, mas aos corpos sintomáticos. Eles são próprios a cada um, mas cada um pode  fazer um uso deles a serviço do seu desejo”










73 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não há nada mais caro na vida que a doença - e a estupidez

“𝗡ã𝗼 𝗵á 𝗻𝗮𝗱𝗮 𝗺𝗮𝗶𝘀 𝗰𝗮𝗿𝗼 𝗻𝗮 𝘃𝗶𝗱𝗮 𝗾𝘂𝗲 𝗮 𝗱𝗼𝗲𝗻ç𝗮 - 𝗲 𝗮 𝗲𝘀𝘁𝘂𝗽𝗶𝗱𝗲𝘇” já dizia Freud (1913) em “O início do tratamento”. O sintoma é caro demais para o sujeito. Sua lib

1 Comment


Tiago Alves
Tiago Alves
Feb 26

Excelente texto, parabéns!!

Like
bottom of page