top of page
Buscar
  • psicostapaulo

A neurose obsessiva: Freud - Lacan - Tourinho Peres, Urania

Um pouco mais sobre o post anterior, até porque…

nem só de ratos ratos vive uma neurose obsessiva.


Sabemos que a sistematização que Lacan conferiu a fantasia pode ser escrita de uma maneira universal pela fórmula ($ ◊ a). De uma maneira bem simples, “a” representa aqui o objeto da qual o sujeito, em sua relação com este, inscreverá sua fantasia. Isso nos é mostrado por Freud. Lacan destrincha isso colocando o sujeito em relação com o significante - sabemos que o sujeito é efeito de uma articulação entre significantes. A intervenção de um símbolo - o falo, como significante da falta, ligado a dimensão do desejo - pode vir a propiciar uma parada nessa cadeia significante.


O que pretendo destacar nesse texto é a particularidade que essa fórmula ganha ao se tratar da fantasia do obsessivo. Lacan demonstra tal fórmula no “Seminário 8 - A transferência” da seguinte maneira:


Ⱥ ◊ φ (a, a’, a”, a”, . . .)


Chamo a atenção para o símbolo phi minúsculo (φ), falo imaginário, e o parêntese que segue uma sequencia infinita de objetos (a, a’, a”, a”, . . . ). Na matemática, quando temos esse tipo de estrutura algébrica se trata de uma multiplicação, por exemplo: 2(3) = 2x3. Isso implica dizer que o falo imaginário tem uma relação com esses objetos, que se multiplicam numa série infinita.


Lacan comenta nesse seminário que a realidade do obsessivo é uma realidade falicizada, onde todos os objetos conferem um valor fálico, e, assim sendo, o obsessivo passa a responder buscando gozar de todos esses objetos. Uma impossibilidade para o desejo.


Como todos objetos passam a ser revestidos de forma fálica, não há possibilidade de escolha. A clínica nos revela essa dimensão atormentada dos sujeitos obsessivos quando a dúvida os acomete. Contudo, me parece que essa dúvida funciona como estratégia, um ganho secundário do sintoma, já que na dúvida o sujeito se coloca em uma distância do seu desejo - evitando-o.


💭 a partir dos capítulos/livros:

Lacan, J. (1961). A presença real. In: Seminário livro 8 - A transferência. Zahar.

Tourinho-Peres, U. (2021). A neurose obsessiva: Freud - Lacan. Escuta


53 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não há nada mais caro na vida que a doença - e a estupidez

“𝗡ã𝗼 𝗵á 𝗻𝗮𝗱𝗮 𝗺𝗮𝗶𝘀 𝗰𝗮𝗿𝗼 𝗻𝗮 𝘃𝗶𝗱𝗮 𝗾𝘂𝗲 𝗮 𝗱𝗼𝗲𝗻ç𝗮 - 𝗲 𝗮 𝗲𝘀𝘁𝘂𝗽𝗶𝗱𝗲𝘇” já dizia Freud (1913) em “O início do tratamento”. O sintoma é caro demais para o sujeito. Sua lib

Comments


bottom of page